Com o passar dos anos, os nossos pés têm tendência a desenvolver problemas. Uma concepção errada, bastante comum, é o facto de pensarmos que com a idade os pés doridos são uma situação normal. Esta crença é errada. O desconforto e a dor não são consequências naturais do envelhecimento. Muito se pode fazer para melhorar o conforto, aliviar a dor e manter a saúde dos pés para a vida.

O espelho da nossa saúde

A condição de saúde dos nossos pés, muitas vezes é o indicador primário de alterações sistémicas, tais como a diabetes, a artrite e as doenças circulatórias. Por esta razão, o pé humano é por vezes chamado de “espelho da saúde”. Esteja atento a sinais tais como, pele seca, unhas quebradiças, sensação de queimadura e formigueiro, calafrios, dormência e descoloração. Procure a opinião do seu Podologista sempre que apresentar algum destes sinais.

Os problemas dos pés podem ser prevenidos

Por volta dos nossos 50 anos de idade, os nossos pés perderam cerca de metade da capacidade de absorção de choque conferida pelo panículo adiposo do pé (gordura da planta do pé responsável pela absorção dos impactos durante a marcha). Em associação ao aumento de peso corporal, esta situação pode afectar os ossos e os ligamentos.

Muitos de nós, incluindo as pessoas idosas, acreditam que é normal que os pés doam, e simplesmente resignam-se a esta situação, que pode ser tratada e melhorada. Existem descritas acima de 300 condições patológicas dos pés. Algumas delas são hereditárias, mas a maior parte das alterações, são provocadas pelo efeito acumulativo de anos de desgaste e negligência. Contudo, mesmo nas pessoas de idade, os problemas dos pés podem ser tratados com sucesso, tendo como objectivo o alívio da dor e a promoção da mobilidade e independência.

Quando alcançamos os 50 anos de idade, os nossos pés percorreram 86.000 quilómetros, fazendo com que fiquem mais susceptíveis a doenças e lesões. Estudos clínicos, demonstram que a partir do 50 anos de idade, estamos 80% mais susceptíveis ao desenvolvimento de artrite do pé e do tornozelo, assim como, 90% mais sujeitos ao desenvolvimento de deformações das articulações do pé e dos dedos dos pés.

Promover a condição de saúde dos seus pés traz muitos benefícios, incluindo a promoção do seu conforto pessoal, limita a possibilidade do aparecimento de problemas médicos adicionais, reduz as hipóteses de internamento hospitalar devido a infecções e mantêm-no mais activo e móvel.

Alguns conselhos práticos

  • Um calçado bem adaptado é essencial. Para as actividades diárias, o uso de calçado com uma sola firme, antiderrapante e um bom suporte na zona do calcanhar garantem uma melhor estabilidade. O uso de chinelos, gastos e com muito uso, durante as actividades diárias provocam instabilidade do pé.
  • Compre o calçado no final da tarde. No final do dia os pés atingem o tamanho máximo (devido ao inchaço).
  • Caminhar é o melhor exercício para os seus pés.
  • As meias ou collants devem ter o tamanho correcto e de preferência não devem ter costuras.
  • Não use meias ou collants que façam a constrição da circulação. Atenção aos elásticos apertados.
  • À excepção da praia, evite andar descalço, mesmo em casa, evitando possíveis traumatismos (queda de objectos, tropeçar nos móveis)
  • Não realize o corte de calos ou calosidades com lâminas, canivetes ou outros instrumentos e não utilize produtos de venda livre a menos que sejam recomendados pelo seu Podologista.
  • Lave os seus pés em água morna (não quente), utilizando um sabão preferencialmente suave. Teste a temperatura da água com a mão. Após a lavagem diária aplique um creme hidratante.
  • Corte ou lime as unhas de forma recta. Não corte os cantos das unhas.
  • Inspeccione os seus pés diariamente, ou tenha alguém que o faça por si. Se notar algum ferimento, fissura ou dor, consulte o Podologista.
  • Consulte o Podologista pelo menos duas vezes por ano.

O cuidado com as unhas

As pessoas de idade com alterações de circulação são susceptíveis à fragilidade das unhas. O espessamento das unhas e a secura da pele é um processo de carácter fisiológico inerente à idade. Os problemas de mobilidade dos idosos, a falta de flexibilidade e os problemas de visão, incapacitam o corte ungueal correcto, especialmente se estiveram deformadas (demasiadamente espessas). Os idosos devem recorrer ao tratamento Podiátrico regular, de modo a garantir um corte e tratamento correcto das unhas.

Como o seu Podologista o pode ajudar:

Os Podologistas são profissionais de saúde altamente qualificados e treinados para a prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação das patologias dos pés. Os programas continuados de educação e especialização da carreira, garantem o melhor desempenho da sua função.
Visite o seu Podologista com regularidade, de modo a prevenir problemas futuros, aliviar a dor e o ajudar a conseguir uma melhor mobilidade.


Nota: Esta informação é meramente informativa não deve ser usada como substituto do aconselhamento podiátrico. Para qualquer dúvida consulte o seu Podologista.

Marque já a sua consulta


  • Av. Lusíada, 100
    1500-650 Lisboa
Tel.: 217 104 400


  • Praça Ernesto Melo Antunes, 1
    2700-339 Amadora
Tel.: 211 209 900

Clínica Napto

  • Rua Augusto Costa, 6B
    1500-064 Benfica (Pedralvas)
Tel.: 217 601 159